O futuro do esporte eletrônico no Brasil é brilhante: Leo De Biase, da BBL

O futuro do esporte eletrônico no Brasil é brilhante Leo De Biase da BBL

O futuro do esporte eletrônico no Brasil é brilhante Leo De Biase da BBLO fundador da BBL, Leo De Biase, acredita que o Brasil pode liderar o mercado de e-sports em 2021 e além. Um veterano da indústria nos negócios de esports, De Biase conversou com a repórter principal do Calvinayre Rebecca Liggero Fontana para discutir os esforços do mercado brasileiro para se tornar um líder no mercado de esports.

Como muitos na indústria nos últimos 12 meses, a BBL experimentou um grande crecimento no mercado de esportes eletrônicos. A BBL anunciou recentemente os planos de construir a maior arena Battle Royale do mundo em São Paulo. Segundo De Biase, o estádio será um modelo exemplar para o BBL e os esportes esportivos no Brasil.

“Vamos construir esta enorme instalação, acho que será algo como 3000 metros quadrados. Vai ser um monstro com 2.000 lugares e a maior parede de LED do mundo. Aalgo como 480 metros quadrados de painéis de LED ”, disse ele.

Enquanto o interesse pelo mercado de esportes eletrônicos continua a crescer no Brasil, continua havendo conversas sobre os regulamentos das apostas. Segundo De Biase, as conversas continuam com os reguladores.

“No Brasil, as apostas ainda não estão legalizadas e eu sei que tem havido milhares de conversas, e acho que estamos chegando lá pelo que ouvi de meus amigos que estão na indústria de apostas aqui no Brasil”, disse De Biase .

Di Biase acredita que a pandemia COVID-19 não só criou oportunidades para empresas de e-sports, mas também operadoras de apostas no mercado brasileiro. Di Biase explica que a participação aumentou devido ao COVID. “Tenho certeza de que o Brasil é enorme e com certeza vamos começar a ter mais participação”, disse ele.

Embora as apostas em esportes eletrônicos ainda estejam em discussão com reguladores e legisladores, De Biase continua defendendo que a indústria continue a ter alguma contribuição na definição dos regulamentos.

“Estamos profundamente envolvidos nessas discussões, o ano passado foi especialmente para mim muito estranho porque nunca pensei que um dia estaria falando em uma audiência no Senado aqui no Brasil. Estava falando sobre esportes eletrônicos e explicando ao comitê e aos senadores o que é e quais são as oportunidades ”, disse De Biase.

Na entrevista completa, De Biase passa a explicar as oportunidades que estão disponíveis para as operadoras de apostas no mercado brasileiro e como elas podem alavancar o relacionamento com as produtoras para criar um conteúdo que atraia uma nova geração de apostadores do Esports.

Notícias relevantes