Uruguai deve se preparar para a indústria de cassinos do Brasil

Uruguai deve se preparar para a indústria de cassinos do Brasil

Uruguai deve se preparar para a indústria de cassinos do BrasilAntes da pandemia global de saúde do COVID-19, impossibilitando o progresso regulatório e paralisando essencialmente todos os setores e atividades, o Brasil estava à beira da legalização de cassinos.

O projeto, que já conta com o apoio do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia e do vice-presidente do Brasil Hamilton Mourão, pode ser significativo para o setor de cassinos no Uruguai, considerando a importância dos jogadores brasileiros na região.

Os jogadores brasileiros nos cassinos uruguaios são tão importantes para o resort e cassino Enjoy Punta del Este que ele possui um escritório em São Paulo, onde vôos regulares partem para o cassino turístico. Isso significa que as instalações uruguaias perderiam uma porcentagem significativa de seus visitantes se o Brasil decidisse permitir seus próprios cassinos legais.

“Não devemos ignorar os desenvolvimentos que estão ocorrendo em nossos países vizinhos, especialmente a legalização do jogo no Brasil. Deveríamos analisar o impacto que isso tem no Uruguai e elaborar políticas para reter esses jogadores ”, disse Luis Gama, ex-diretor da Direção Nacional de Loterias e Quinielas do Uruguai (DNLQ) do site irmão da SBC Americas, SBC Noticias.

No final de 2019, várias contas foram introduzidas para regular os resorts de cassino em áreas turísticas do Brasil. Um deles era o PL 5783 do deputado Afonso Motta, que argumentou que “metade dos jogadores nos cassinos uruguaios são brasileiros”. As apostas já estão acontecendo no Brasil, mas o governo não vê nenhum dos benefícios econômicos como o dos países vizinhos.

Gama acredita que o novo governo deve escolher “uma política complementar, não competitiva”. O especialista destacou a importância de desenvolver uma política de colaboração com o governo brasileiro para combater as consequências diretas da perda de jogadores e, principalmente, do setor VIP.

“O novo cenário exigirá muito esforço para não se perceber um declínio na atividade naqueles locais fronteiriços e turísticos onde a participação de jogadores estrangeiros é essencial para sustentar os negócios”.

Considerando que a indústria do turismo sofrerá grandes consequências devido ao coronavírus, os executivos não devem ignorar as oportunidades. A América Latina seria capaz de unir forças para ajudar as economias fracas assim que as políticas de reativação estiverem em vigor.

Enquanto isso, o Brasil enfrenta a incerteza de não saber onde está. As ações erráticas do presidente Jair Bolsonaro ao enfrentar a pandemia. Ele perdeu apoio significativo depois de minar a ameaça do vírus e, consequentemente, está tentando permanecer próximo ao setor evangélico – seu principal grupo de apoio – ao rejeitar qualquer projeto que legalize o jogo. No entanto, o Brasil está tendo uma briga pelo poder, e sempre algo pode acontecer e os planos podem mudar.

Por outro lado, o Uruguai está focado nas conquistas realizadas no segmento online, com base nas políticas estabelecidas pelo Gama. Em relação aos cassinos físicos, o primeiro passo para uma posição mais competitiva foi obter a aprovação parlamentar do projeto de lei que permite operações de cassinos em navios de cruzeiro que chegam a Punta del Este ou Montevidéu.

Notícias relevantes